Kroll Debate Os 20 Anos Contra a Lavagem De Dinheiro Em Grupo De Discussão Da Revista Capital Aberto

Em março deste ano, a Lei 9.613, que visa combater os crimes de lavagem de dinheiro, completou 20 anos. Este foi o tema do último debate do Grupo de Discussão de Compliance, promovido pela Revista Capital Aberto.

O encontro, que aconteceu no dia 2 de maio, em São Paulo, contou com a presença da Kroll e reuniu especialistas do mundo corporativo, bem como autoridades representando o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), e o Banco Central do Brasil.

O Grupo colocou em pauta assuntos pertinentes aos cenários econômico e político brasileiro. Entre eles, foi discutido o quanto bancos e instituições do mercado estão devidamente preparados para lidar com as regras nacionais e internacionais relativas ao tema. Também foram abordados assuntos importantes como a construção de um programa robusto de prevenção à lavagem de dinheiro e as práticas que ainda precisam ser aprimoradas na visão dos reguladores.

Com vasta experiência internacional em Compliance e por ter atuado como convidado pelo Parlamento neozelandês na elaboração do projeto que deu origem à Lei de Prevenção à Lavagem de Dinheiro daquele país, o Diretor Sênior da Kroll, Ian Cook enriqueceu o debate. Ian fez uma análise crítica em relação à lei aplicada no Brasil com as demais que existem fora do País, utilizando como exemplo a atuação da Kroll na revisão de programas de prevenção à lavagem de dinheiro em países da América Latina.

O executivo destacou que, passadas duas décadas da publicação da Lei 9.613, o Brasil tem avançado muito nas ações e resultados das operações de combate à corrupção e lavagem de dinheiro. Ele ainda ressaltou a importância da criação do COAF, órgão responsável por identificar atividades financeiras ilícitas, e o resultado medido pelas bem sucedidas operações que investigam escândalos que, até então, eram considerados fora do alcance da lei penal.

Outro ponto alto do debate foi a discussão sobre como as empresas podem evoluir em relação aos departamentos de Compliance. Ian ressaltou que o Brasil precisa evoluir na criação de departamentos especializados na prevenção e combate à lavagem de dinheiro nas empresas, como já acontece em outros países. Ainda neste contexto, explicou que para que isso realmente funcione dentro das organizações é preciso que o combate à corrupção seja um valor disseminado entre todos os funcionários.

Por fim, o executivo concluiu que cabe às empresas o monitoramento de suas atividades e as de seus clientes, com o objetivo de detectar situações que podem ser consideradas atípicas e que, portanto, devem ser reportadas ao COAF. Para tanto, deve-se implementar políticas, controles e sistemas capazes de identificar atividades fora do padrão.

A Kroll possui expertise na elaboração e implementação de programas de Compliance, incluindo controles para prevenção e detecção de lavagem de dinheiro. Saiba mais aqui.

Kroll Debate Os 20 Anos Contra a Lavagem De Dinheiro Em Grupo De Discussão Da Revista Capital Aberto 2018-05-09T04:00:00.0000000 /pt-br/publicacoes/kroll-debate-os-20-anos-contra-a-lavagem-de-dinheiro-em-grupo-de-discussao-da-revista-capital-aberto /pt-br/-/media/kroll-br/images/publications/thumbnails/kroll-debate-os-20-anos-contra-a-lavagem-de-dinheiro-em-grupo-de-discussao-da-revista-capital-aberto.jpg publication

Publicações

Segurança Cibernética

10 Dicas Fundamentais de Segurança Cibernética Para Trabalhar de Casa

Segurança Cibernética

Relatório Da Kroll Destaca Ameaças Cibernéticas E Riscos De Corrupção Como Principais Preocupações Das Empresas Brasileiras

Golpes Em Aplicativos De Relacionamento Continuam a Fazer Vítimas

Kroll É Reconhecida Em 5 Categorias Da Pesquisa Corporate Counsel Best of 2018 Reader Choice Report

Crimes Cibernéticos Ameaçam Empresas Brasileiras Com Prejuízos Milionários

Imposto De Renda Voce Sabia Que Seus Dados Podem Ser Roubados Por Criminosos

Vaga Para Estágio Em Secretariado Executivo Ou Letras (São Paulo, Brasil)

Engajar Funcionários Nos Processos De Segurança Da Informação É Essencial Para Reduzir Frauds